quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Mapa



Me colaram no tempo, me puseram
uma alma viva e um corpo desconjuntado. Estou
limitado ao norte pelos sentidos, ao sul pelo medo,
a leste pelo Apóstolo São Paulo, a oeste pela minha educação.

Me vejo numa nebulosa, rodando, sou um fluido,
depois chego à consciência da terra, ando como os outros,
me pregam numa cruz, numa única vida.
Colégio. Indignado, me chamam pelo número, detesto a hierarquia.

Me puseram o rótulo de homem, vou rindo, vou andando, aos solavancos.
Danço. Rio e choro, estou aqui, estou ali, desarticulado,
gosto de todos, não gosto de ninguém, batalho com os espíritos do ar,
alguém da terra me faz sinais, não sei mais o que é o bem
nem o mal.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Jó 5


Jó 5

1 Chama agora; há alguém que te responda? E para qual dos santos te virarás?
2 Porque a ira destrói o louco; e o zelo mata o tolo.
3 Bem vi eu o louco lançar raízes; porém logo amaldiçoei a sua habitação.
4 Seus filhos estão longe da salvação; e são despedaçados às portas, e não há quem os livre.
5 A sua messe, o faminto a devora, e até dentre os espinhos a tira; e o salteador traga a sua fazenda.
6 Porque do pó não procede a aflição, nem da terra brota o trabalho.
7 Mas o homem nasce para a tribulação, como as faíscas se levantam para voar.
8 Porém eu buscaria a Deus; e a ele entregaria a minha causa.
9 Ele faz coisas grandes e inescrutáveis, e maravilhas sem número.
10 Ele dá a chuva sobre a terra, e envia águas sobre os campos.
11 Para pôr aos abatidos num lugar alto; e para que os enlutados se exaltem na salvação.
12 Ele aniquila as imaginações dos astutos, para que as suas mãos não possam levar coisa alguma a efeito.
13 Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos perversos se precipita.
14 Eles de dia encontram as trevas; e ao meio-dia andam às apalpadelas como de noite.
15 Porém ao necessitado livra da espada, e da boca deles, e da mão do forte.
16 Assim há esperança para o pobre; e a iniqüidade tapa a sua boca.
17 Eis que bem-aventurado é o homem a quem Deus repreende; não desprezes, pois, a correção do Todo-Poderoso.
18 Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam.
19 Em seis angústias te livrará; e na sétima o mal não te tocará.
20 Na fome te livrará da morte; e na guerra, da violência da espada.
21 Do açoite da língua estarás encoberto; e não temerás a assolação, quando vier.
22 Da assolação e da fome te rirás, e os animais da terra não temerás.
23 Porque até com as pedras do campo terás o teu acordo, e as feras do campo serão pacíficas contigo.
24 E saberás que a tua tenda está em paz; e visitarás a tua habitação, e não pecarás.
25 Também saberás que se multiplicará a tua descendência e a tua posteridade como a erva da terra,
26 Na velhice irás à sepultura, como se recolhe o feixe de trigo a seu tempo.
27 Eis que isto já o havemos inquirido, e assim é; ouve-o, e medita nisso para teu bem.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Entra um instante em ti mesmo


"Deixa um momento as tuas ocupações habituais, ó homem; entra um instante em ti mesmo, longe do tumulto dos teus pensamentos. Põe de parte os cuidados que te apoquentam e liberta-te agora das inquietações que te absorvem. Entrega-te uns momentos a Deus; descansa por algum tempo em sua presença. Entra no intimo da tua alma; remove tudo, excepto Deus e o que te possa ajudar a procurá-l'O. Encerra as portas da tua habitação e procura-O no silêncio. Diz a Deus, de todo o coração: Procuro o vosso rosto; o vosso rosto, Senhor, eu procuro.

E agora, Senhor meu Deus, ensinai ao meu coração aonde e como hei-de buscar-Vos, aonde e como poderei encontrar-Vos. Senhor, se não estais aqui, se estais ausente, onde Vos procurarei? Mas se estais em toda a parte, porque não Vos encontro aqui presente? É certo que habitais numa luz inacessível. Mas onde está essa luz inacessível? Como terei acesso a ela, se é inacessível? Quem me conduzirá e introduzirá nessa luz, para que nela Vos possa contemplar! Com que sinais, com que aspecto Vos devo procurar.' Nunca Vos vi, Senhor meu Deus; não conheço o vosso rosto.

Senhor, sois o meu Deus, sois o meu Senhor e nunca Vos vi. Vós me criastes e redimistes, concedestes-me todos os bens que possuo e ainda não Vos conheço. Fui criado para Vos ver e não atingi ainda o fim para que fui criado. Então, Senhor, até quando? Até quando, Senhor, Vos esquecereis de nós? Até quando escondereis de nós o vosso rosto? Quando voltareis para nós o vosso olhar e nos escutareis? Quando iluminareis os nossos olhos e nos mostrareis o vosso rosto? Quando Vos comunicareis a nós? Olhai, Senhor, para nós; ouvi-nos, iluminai-nos, manifestai-Vos a nós. Vinde morar connosco e seremos felizes; sem isso, passaremos muito mal. Tende compaixão dos nossos trabalhos e esforços para Vos alcançar, porque sem Vós nada podemos.

Ensinai-me a procurar-Vos e mostrai-me o vosso rosto; porque não posso procurar-Vos, se não mo ensinais. Não posso encontrar-Vos, se não Vos mostrais. Desejando Vos procurarei, e procurando Vos desejarei; amando Vos encontrarei, e encontrando Vos amarei"

Cap. 1, Proslógio - Santo Anselmo

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Sueño con serpientes / Silvio Rodrigues



Há homens que lutam um dia
E são bons.

Há outros que lutam um ano
E são melhores

Há aqueles que lutam muitos anos

E são muito bons.

Porém há os que lutam toda a vida

Esses são os imprescindíveis

Bertolt Brecht

sexta-feira, 30 de junho de 2017

O utopista













Ele acredita que o chão é duro
Que todos os homens estão presos
Que há limites para a poesia
Que não há sorrisos nas crianças
Nem amor nas mulheres
que só de pão vive o homem
que não há um outro no mundo.


Murilo Mendes
. "Os quatro elementos". Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

domingo, 25 de junho de 2017

O poeta diante de Deus


Jesus, o século está podre.
Onde é que vou buscar poesia?
Devo despir-me de todos os mantos,
os belos mantos que o mundo me deu. 
Devo despir o manto da poesia.
Devo despir o manto mais puro.
Senhor Jesus, o século está doente,
o século está rico, o século está gordo.
Devo despir-me do que é belo,
devo despir-me da poesia,

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

MINHA ORAÇÃO


Deus, fazei de mim o poeta da simplicidade,
Força, e clareza. Ajudai-me a viver
Sempre mais por sempre mais altos padrões. Ensinai-me a
Tirar da frente a grande pedra, simples, feita porta
Firme, que se fez à hora morta,
E encher as brechas todas com os mais finos cascalhos, com a argila
Da aliteração, metáfora, rima. Dai
Força para ver e fazer ver erro em tristeza, em felicidade.
Fazei de mim um poeta verdadeiro, sempre justo ao sussurrar de meu
Chamado,
Tateando pela noite mais escura
Atrás da clara luz, sua brancura
Erguido firmemente e resoluto no Pilar do
Absoluto,
Trabalhando com paixão, com alma e com certeza,
Escrevendo meu mais alto Ideal no que quer que eu escreva,
Pra sempre honesta, suave, honrada, e alegremente,
Nunca temente.



E.E. Cummings