quarta-feira, 23 de março de 2011

Janela Aberta

O sereno entra
pela minha janela aberta
E cai sobre meu corpo como um lençol
suave, puro, e frio
Traz-me sensações nunca sentidas antes
Algo que toda vida me fugiu
Sentido de criança agora alerta

Agradável sereno frio
mas agradável, só mesmo minha coberta

È uma pena ter EU
um dia fechado essa janela
E saber que quase toda minha percepção
fechou-se com ela

Autor: Douglas A. Remonatto

Sem comentários:

Enviar um comentário